Questões


O Simpósio irá explorar em profundidade as quatro áreas de ação para o exercício da liderança educativa em contextos desfavorecidos.

O desafio que propomos às equipas de gestão é explorar formas de desenvolver todas as dimensões da pessoa que é cada criança e jovem ao longo do seu tempo na escola.

Os quatro temas serão os quatro módulos do Simpósio, espaços de encontro, trabalho e diálogo para marcar o caminho de uma liderança empenhada na justiça, inclusão social e igualdade de oportunidades.

A partir de agora queremos contar com as opiniões, sugestões, perguntas ou ideias que nos sejam enviadas, para enriquecer o foco de cada módulo e para preparar os debates com antecedência.

Estudaremos cada um deles, integrá-los-emos no plano de trabalho e apresentá-los-emos em Madrid. Os nossos peritos ajudarão a canalizá-los.


ESCREVA E ENVIE A SUA SUGESTÃO

Obrigado pela vossa cooperação. Os nossos peritos ajudarão a transmitir a sua mensagem.


VISÃO E PRINCÍPIOS LEI PARA DISCUSSÃO

Onde queremos que a nossa escola esteja nos próximos anos, como sonhamos que seja, o que queremos alcançar?

A literatura científica é consistente em apontar os efeitos de algumas formas de liderança educacional nas escolas que são altamente complexas devido à diversidade de necessidades colocadas pelos seus alunos, pelas famílias de onde são provenientes e pelos professores que as frequentam. Compreender a multiplicidade de fatores – culturais, étnicos, de baixo estatuto socioeconómico, de ambientes de pobreza ou violência -, refletir sobre eles e integrar esta realidade diversa na vida da escola é um requisito para as equipas de gestão empenhadas na liderança sistémica.

Mais informações

LIDERANÇA DISTRIBUÍDA OU COMO TORNAR A ORGANIZAÇÃO SUSTENTÁVEL

Como podemos influenciar as tarefas a realizar e as relações com as pessoas envolvidas para as levar a cabo?

A fim de desenvolver uma educação integral em contextos desfavorecidos, as escolas enfrentam o desafio fundamental de encontrar uma resposta organizacional baseada na sua própria dinâmica, em modelos particulares de equidade e participação inclusiva, numa boa utilização do tempo e dos recursos, na criação de equipas educativas que trabalhem em conjunto, troquem experiências e monitorizem ações e que, como imperativo ético, procurem o bem-estar de todos. Só sob os princípios que regem a liderança distribuída será possível criar os canais necessários para o desenvolvimento e implementação efetiva da visão definida no projeto da escola, para abrir processos de consulta baseados na participação e para encorajar a responsabilidade no desempenho específico dos profissionais da escola.

Mais informações

A AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS-CHAVE NUM CURRÍCULO PARA UMA EDUCAÇÃO ABRANGENTE

Como criar uma estrutura pedagógica e curricular concreta para materializar uma nova cultura escolar que também torna nova a ação educativa?

Uma escola inspirada pela liderança para a educação integral está equipada com um projeto curricular inovador enriquecido pela visão da escola, com o objetivo de motivar alunos e professores. Tal projeto está em conformidade com os regulamentos atuais, mas não pode ser predefinido por um agente externo. Deve ser flexível, capaz de se adaptar ao contexto particular da escola. Contudo, o programa LEI sublinha alguns aspetos diferenciais que afetam escolas com dificuldades especiais e que estão mais de acordo com o conceito de educação holística para atender a diferentes estilos de aprendizagem, respeitar as diferenças e dar prioridade aos conhecimentos, aptidões, atitudes e capacidades que são relevantes para os estudantes.

Mais informações

UMA COMUNIDADE EDUCATIVA EM MOVIMENTO

É possível fazer da colaboração, participação, discussão e aprendizagem a partir dos pontos de vista de outras pessoas parte da vida da escola?

A liderança para uma educação integral inspira relações específicas com cada um dos membros da comunidade educativa: com as famílias (respeitando as esferas e justificando quem faz o quê, embora permeando os espaços); com os professores (que são definidos objetivos de aprendizagem, reavaliando a sua competência profissional e o seu papel como transmissores de cultura e conhecimento, como agentes para a promoção desta educação integral); e com os estudantes (cujo desenvolvimento é considerado como um todo, multidimensional). Consequentemente, esta liderança considera a escola como uma comunidade, como um espaço de aprendizagem cívica.

Mais informações

REDE DE BOAS PRÁTICAS “REIMAGINANDO A ESCOLA”

Esta rede fornecerá às políticas de liderança escolar novas provas sobre modelos e intervenções educativas sistémicas, transferíveis para outros sistemas de educação e formação.

O comité organizador do Simpósio proporcionará um espaço de intercâmbio, consulta e comentário sobre experiências e práticas de gestão bem sucedidas que permitem aprender com a reflexão prévia, asseguram a comunicação de uma visão; como uma organização da escola baseada na distribuição de tarefas e no papel dos líderes intermediários (conselheiros, tutores) num contexto de aprendizagem amigável e saudável gera confiança mútua e bom desempenho; como um compromisso de autonomia pedagógica sob uma abordagem baseada na competência facilita o desenvolvimento de todas as facetas da personalidade do aluno; e como uma presença ativa das famílias na vida da escola e a participação dos professores, estudantes e pessoal administrativo num projeto comum cria comunidades educativas com grandes expectativas.